quarta-feira, 23 de outubro de 2013


É em alturas como esta que percebemos o verdadeiro valor da vida. Tudo é efémero, é certo. Ainda assim, preferimos acreditar que só corremos riscos quando os anos se fazem pesar e sentir nas pernas. Mas não… Todos os dias somos postos à prova sem dar conta, e todos os dias damos a vida por garantida, que afinal não está. Nunca está!
Foi uma chamada de atenção; Mostrar-nos que não somos eternos e que a vida é fugaz, que pode fugir por entre os dedos mesmo que fechemos as mãos com força, que cada dia é uma nova e grande oportunidade, uma enorme dádiva e uma, ainda maior, conquista.
Não somos de ferro. A prova, a melhor prova disso é a saudade, os momentos difíceis… Falo por mim, que sofro por tudo e por nada; Que feliz ou infelizmente não consigo deixar de partilhar da dor dos outros; Que não me consigo desfazer de desesperos e agonias, que me fazem perder esperanças, vontades e noites inteiras de sono.
Falo de mim, enfim… De como eu gostava que as coisas fossem mais fáceis, mais simples, mais sóbrias, mais doces. Do quanto eu gostava de viver em paz comigo, sem choros demasiados, golpes arriscados, palavras e decisões difíceis. De como eu queria que tudo fosse suportável. E quando digo tudo, digo Tudo.
Assino eu,

Leandra

2 comentários:

  1. todos gostávamos que tudo fosse mais fácil mas a verdade é que tudo o que é de mão beijada, não requer esforço nem dedicação e a recompensa nem é tão valorizada! adorei, e vou seguir*

    ResponderEliminar